sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

FELIZ ANO NOVO PARA TODOS OS AMIGOS!!!!





PARA TODOS OS AMIGOS DESEJO QUE O NOVO ANO TENHA UMA LUZ SEMPRE BRILHANDO NO SEU PERCURSO DOS 366 DIAS!!!!!


IMAGENS GOOGLE

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

ORGULHO DE UMA RIBATEJANA!!! PAREI, OLHEI ALMOSTER!!!

PARA ALEM DE ENRIQUECER MAIS UM POUCO ESTA PÁGINA COM AS FOTOS DO CONVENTO DE ALMOSTER, TAMBÉM AS ORNAMENTEI COM ALGUNS DOS MEUS POEMAS QUE LHES SÃO DEDICADOS!!!

FOTOS POEMAS E COMPOSIÇÃO DE LÍDIA FRADE!!!










PAREI, OLHEI ALMOSTER

Andorinhas, que alegres esvoaçam
Buscando abrigo, nos recortes dos beirais
E chilreando, num bailado se entrelaçam
Dão vida nova, a casas senhoriais

Nos velhos muros, crescem eras verdejantes
E em recantos, quedas de água, cristalina.
Em ti Almoster, são o renovar constante,
Dão-te a frescura, e vida de menina.

Entre a áspera secura da charneca
E os altos montes, de pedra seca,
Só tu querida Almoster, a refrescar

És tão belo quadro, mostrando história
Procurando despertar, nossa memória
Por um passado, que o presente nos quer dar.


LÍDIA FRADE em Uma Pedra no Charco



domingo, 11 de dezembro de 2011

SANTARÉM HOMENAGEM A CELESTINO GRAÇA

 DO MONUMENTO  ERGUIDO EM HOMENAGEM A UM GRANDE RIBATEJANO
CELESTINO GRAÇA




Celestino Graça - O Homem do Graínho



Busto
    Nascido a 9 de Janeiro de 1914, na aldeia do Graínho, no concelho de Santarém, Celestino Graça concluiu o curso de Regente Agrícola com apenas dezoito anos de idade, dando, assim, início a uma actividade relacionada com o mundo rural, que, de facto, constituía o seu grande universo. Destacou-se na X Brigada Agrícola como um dos técnicos mais competentes e a sua trajectória profissional fica para sempre associada à introdução da cultura do cânhamo em Portugal, o que lhe permitiu a apresentação de diversos trabalhos técnicos e até a publicação de um livro sobre a matéria.
    Celestino Graça, mercê desta sua ocupação profissional, aprofundou sobremaneira o seu relacionamento com a gente simples do povo que tinha na agricultura o seu ganha-pão, fincando a conhecê-los mais intimamente, desvendando, assim, muito da sua cultura e das suas tradições.
    Após algumas intervenções na área do associativismo, Celestino Graça assumiu-se como o grande impulsionador da Feira do Ribatejo, no ano de 1954, certame de cariz regional ao qual devotou vinte um anos de constante empenhamento, sendo que dez anos volvidos sobre a primeira edição, o Governo de então promoveu a elevação desta feira ao estatuto de Feira Nacional de Agricultura, pelo reconhecimento expresso da acessão relevante que este evento constituía em favor do desenvolvimento da actividade agrícola no nosso país, então, uma das vertentes mais significativas da economia nacional.
    Na Feira do Ribatejo, Celestino Graça baseou a animação cultural no folclore, pelo que estimulou os responsáveis pelas Casas do Povo e os presidentes das juntas de freguesia e dos municípios ribatejanos no sentido de promoverem a organização de ranchos folclóricos que, posteriormente, assegurassem a representação concelhia neste certame que de ano para ano aumentava a sua projecção a nível nacional, e uns anos mais tarde extravasou as fronteiras do país, conquistando uma expressiva representação internacional.
    A projecção da Feira do Ribatejo a nível nacional teve igualmente reflexos no folclore, pelo que também em outras regiões os agrupamentos de folclore aí existentes disputavam um lugar nos festivais da Feira. Este impacto foi ainda maior a partir de 1958, ano em que Celestino Graça promoveu a primeira edição do Festival Internacional de Folclore de Santarém, no âmbito da própria Feira do Ribatejo, certame que ainda actualmente se realiza, cumprindo neste ano as suas bordas de ouro.
Monumento     Mas, para além desta relação privilegiada com o folclore, Celestino Graça evidenciou-se, também, no âmbito das actividades taurinas, sobretudo, através de uma estreita colaboração com a Santa Casa de Misericórdia de Santarém, a favor de quem colocou toda a sua generosidade e altruísmo, para além do invulgar dinamismo que o caracterizava, tendo sido um dos principais obreiros da construção da praça de toiros, a que justamente foi atribuído o seu prestigiado nome, e tendo sido o responsável pela organização das corridas de toiros até ao ano do seu falecimento, com o que proporcionou a angariação de avultadas receitas destinadas a minorarem as dificuldades por que passava a Instituição para desenvolver a sua relevam-te acção social, nomeadamente no Lar dos Rapazes.
    Apostando na juventude que despontava, promovendo-os nas novilhadas que anualmente organizava, e não esquecendo os mais populares, Celestino Graça criou um lema para a praça de toiros de Santarém, tornando-a a "Praça das Revelações e das Consagrações". O seu dinamismo esteve bem patente uma vez mais, através da instalação de um moderno sistema de iluminação eléctrica na Praça, com o recurso a equipamento e técnica da Philips que era, então, considerada a melhor do mundo.
    Quem quiser avaliar o impacto da acção de Celestino Graça na nossa cidade e na nossa região, poderá, facilmente, debruçar-se sobre a história local, e certamente, constatará que Santarém atravessava então um período de confrangedora agonia, tanto ao nível da sua actividade económica, como, até, no plano social, cultural e urbanístico.
    Celestino Graça foi, assim, uma das personalidades mais importantes do movimento folclórico do seu tempo, mas, pelo mérito da sua obra e dos seus ensinamentos, ainda hoje constitui uma referência incontornável.

PARA ALÉM DE TODA A INFORMAÇÃO AQUI DESCRITA NESTA  PEÇA DO CORREIO DO RIBATEJO
PARA ALÉM DE O MEU SIMPLES BLOG PESSOAL SE SENTIR LISONJEADO POR TAL DISTINTO RIBATEJANO FAZER PARTE DO SEU ESPAÇO TENHO AINDA OUTRA RAZÃO FORTE PARA QUE ASSIM ACONTEÇA.


SIMPLESMENTE ESTE ILUSTRE RIBATEJANO ERA SOBRINHO DO MEU QUERIDO AVÔ JOSÉ FRADE POR CONSEGUINTE PRIMO DIRECTO DE MINHA MÃE, E ASSIM SENDO SEMPRE OUVI EM CASA FALAR DELE COM GRANDE ORGULHO EMBORA NUNCA EXISTISSE UMA GRANDE PROXIMIDADE FAMILIAR POR MOTIVOS DIVERSOS!!!


EU LÍDIA FRADE

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO!!!

FONTE DE ALMODELIM
NA PASSAGEM DE ALMOSTER PARA SANTARÉM, QUEM NÃO PAROU AQUI PARA MATAR A SEDE!?~
OU....QUEM NÃO TEVE JÁ VONTADE DE O FAZER???

TÃO BELAS E JÁ PERDIDAS

Das lendas de tal encanto
Na história da Freguesia
Perdidas no tempo, entretanto
Revivê-las muito queria.

Bem frescas e tão formosas
Suas águas deram vida
No azeite e pão, orgulhosa
Hoje uma indústria perdida.

Foram fontes pitorescas
Que o progresso destruiu
Foi Castro, aguarela fresca
Pureza a brotar em rio.

Nas águas da Fonte Santa
Se trataram feridas um dia.
Pelas mesmas pedras cantam
A nascente, de Santa Maria.

Tem a lenda, da Fonte da Moura
Na da Serrada, contam virtude,
Oferecendo, a quem lá passa
Sua fescura, e mais saúde.

A de Almodolim, de certeza
Matando a sede a quem passa
Das entranhas da mina, a pureza
Velhinha… mas cheia de graça. 


DESTA BICA MUITAS PESSOAS JÁ RECOLHERAM ÁGUA TAL COMO EU!!!?


A autora Lídia Frade dedicado às Fontes da Freguesia de Almoster publicado do livro
UMA PEDRA NO CHARCO REFÚGIO


quarta-feira, 30 de novembro de 2011

MEU TEJO



FOTO SUL DO TEJO LÍDIA
TEJO PARA SUL FOTO PAULO
MEU TEJO

Margem direita do Tejo
Te percorro, te revejo
Te subo, em contra corrente
Te penetro, Ribatejo
Margem direita do Tejo
De onde tenho estado
Ausente,
Mas sempre de amor
Constante,
Onde o meu coração sente,
Um sentimento de amante.

Margem direita do Tejo
Perto da foz,
Te percorro, em ti, deslizo,
Te desventro,
E com amor, te sussurro,
Palavras
Inspiração de momento.

em AMOR ETERNO, Interregno e Silêncio

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO

A BELEZA DO JARDIM COM A SUA FRESCURA

PELO MENOS NÃO SÃO DE COBRE........NÃO SUJEITOS A ROUBO?.... 

IMAGEM REPRESENTATIVA DOS FORCADOS RIBATEJANOS

JARDIM DA LIBERDADE NO SEU MELHOR

VÁRIAS POSIÇÕES FOTOGRAFICAS

REPRESENTAÇÃO FAMILIAR 
ARTE MODERNA ABSTRATA  

ARTE MODERNA NO JARDIM DA LIBERDADE SANTARÉM

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

TEU HINO SENHORA



 TEU HINO SENHORA

És olivais
Prados verdes
Céu aberto
Centro de história               
Tu tens o lugar bem certo
Tal emoção, eu sinto
Quando te vejo
Ó Santarém
Capital do Ribatejo.

Vistas soberbas
Do alto da colina
Velha senhora
Coração de menina
Te abraça o Tejo
Com toda a tua glória
Ó Santarém
Com oito séculos de história.

Ruas estreitas
Onde espreita
O sol dourado
Fontes tão belas
Onde vão os namorados
Tua beleza
É inspiração de artistas
Ó Santarém
Nome filho de conquistas.


 3º DO CONCURSO VAMOS CANTAR SANTARÉM  LETRA E MUSICA DE LÍDIA FRADE

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO GOLGÃ E SUAS IMAGENS




NO REGREÇO A LINDA E PROBLEMÁTICA PONTE DE FERRO NA CHAMUSCA


UMA LINDA SELA DE MONTAR

ESTA LINDO EXEMPLAR VESTIDO A RIGOR PARA NÃO SE CONSTIPAR


ÉGUA DA COMPANHIA DAS LEZIRIAS ESPREITANDO NA JANELA DO SEU CATIVEIRO



VESTIDOS A RIGOR CAVALEIROS Á PORTUGUESA COM CAVALO LUSITANO



ESTE LINDO PAR DE GARRANOS, AO VELOS LEMBREI O MEU PAI QUE CHEGOU A TER UM PELO PRAZER DE O MOSTRAR! SE FOSSE VIVO LÁ ESTARIA TAMBÉM


O PICADEIRO COM CAVALEIROS EM DEMONSTRAÇÃO


UM LINDO PAINEL DE AZULEJO DA VIDA DA VILA


A SUA IGREJA COM UM PÓRTICO LINDÍSSIMO ESTILO MANUELINO

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

RIO MAIOR - A EXPLORAÇÃO DE CARVÃO MINERAL

A chaminé da mina do Espadanal mede cerca de 70 metros e tem uma base geométrica poliédrica (não circular). É uma obra de arte única em toda esta vasta região. Pode ser avistada a muitos quilómetros de distância. É um ponto de referência em altitude para pequenas aeronaves. A mina de Rio Maior foi um grande projecto nacional que obteve êxito na integração, solidariedade, independência moral e material de portugueses desfavorecidos oriundos dos mais diversos pontos do território.
Os primeiros registos de carvão em Rio Maior datam dos anos 1915-1916. O jazigo foi explorado de forma intermitente até à Segunda Guerra Mundial, quando, face à grave escassez de combustíveis, foi considerado reserva nacional. Iniciou-se então um período de avultados investimentos públicos na construção de estruturas e na adaptação do jazigo a uma exploração intensa.A mina funcionou em pleno entre os anos 40 e 50, em virtude da grande falta de combustíveis durante a 2ª Guerra Mundial. Para Rio Maior vieram muitos mineiros de outros pontos do país,em tempos uma fonte de riqueza do concelho, chegando a empregar mais de 1500 pessoasos quais em grande parte acabariam por ficar aqui, deixando descendentes que hoje são comuns cidadãos riomaiorenses.De resto, a empresa mineira (EICEL), nos anos cinquenta e sessenta chegou a ter um ramal ferroviário privado até ao Vale de Santarém, para o transporte do carvão. O antigo cais da mina situava-se no pavilhão onde actualmente funcionam as duas feiras anuais de Rio Maior (o actual Pavilhão Multiusos foi construído sobre este mesmo cais).
     
A extracção de carvão acabou e hoje o edifício industrial está ao abandono, servindo de local de armazenamento de velharias da autarquia riomaiorense, que adquiriu o espaço há cerca de seis anos e até hoje não lhe deu outro destino.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

SOU FILHA DO RIBATEJO

GOLGÃ HOMENAGEM A MANUEL DOS SANTOS

 SOU FILHA DO RIBATEJO


SOU FILHA DO RIBATEJO
NA CHARNECA, NOROESTE
NA ESTREMADURA ME VEJO
VIM DE CLIMA BEM AGRESTE.
I
Foi ali que vim ao Mundo
Na aldeia, Ponte Celeiro
Numa noite, de Janeiro
Por ali, num vale fundo
E num madrugar profundo
A treze, azar e ensejo!
Na fazenda me revejo
Numa casinha branquinha,
De família pobrezinha,
SOU FILHA DO RIBATEJO
II
Mais velha de cinco irmãs
Quase mãe, sendo criança
Vivendo sem abundância
Sem cultivar coisas vãs
Um faz tudo, com afãs
Que em ideais, investe
Uma caprina silvestre
Crescendo saber e querer
Me formei assim mulher
NA CHARNECA, NOROESTE
III
Conheci nova o amor
No tempo, hora chegada,
Com amor concretizada,
E uma guerra em desfavor.
O ser mãe, me deu valor
Hoje, num filme revejo
Tudo o que fiz, não invejo
Corri, saltei, percorri,
Contudo jamais desisti,
NA ESTREMADURA ME VEJO.
IV
Sou soma e resultado
Do que até aqui vivi
Parar, não parte de mim!
Com amor finalizado
E algum tempo passado,
Meu caminho, se reveste
E caminhando se investe!
Meu querer, é renovação
Sou dura na decisão.
VIM DE CLIMA BEM AGRESTE.

Poema de Lídia Frade

sábado, 5 de novembro de 2011

UM GRITO DE ALEGRIA NA PASSAGEM DA MORTE

UM GRITO DE ALEGRIA, NA PASSAGEM DA MORTE

Importante será dizer, naquela terra, Monte de Novais, havia muitas famílias, importantes com muita certeza, contudo o facto é que, a merecer a sua história contada, nestes pequenos contos, só as que se destacam pela ternura dos factos, ou pelo insólito do acontecimento.
Uma aldeia no cimo de um monte, igual a tantos outros que a circundavam, onde quem queria chegar até lá teria, sem dúvida, de subir as suas ladeiras.
Num conjunto de tradições e princípios em saudáveis costumes, no sentir dos deveres familiares, onde os velhinhos ainda são tratados no seio da família, ou mesmo no seu próprio lar.
Onde criaram os seus filhos e onde, em consciência, desejam, passar o resto dos seus dias, até chegar o momento final, da passagem na terra.
Começa aqui uma história de grande profundidade humana, de cooperação comunitária, numa pequena aldeia com cerca de, duzentos e oitenta residentes.
Uma rua sem nome, uma casinha velhinha, baixinha, com uma única porta, e uma janela, bem pequenina, numa rua sem asfalto ou alcatrão, apenas terra batida, por vezes cheia de buracos, ou de poças de água, quando chovia.
Ali naquela rua, passava o trânsito local, como as carroças que saíam de manhã com os seus proprietários, para trabalhar nas fazendas, onde estes se esforçavam por ganhar o seu pão, e levavam as suas ovelhas, presas às carroças, e que por lá andavam o dia inteiro também a pastar.
Passavam também as ovelhas dos dois rebanhos de uns vizinhos ali da terra, algumas alegravam a sua passagem com alguns chocalhos ou ainda deixando as suas caganitas, enquanto iam aliviando a tripa, no caminho.
Passavam os tractores a caminho para os trabalhos, os carros que levavam e traziam os habitantes da terra, para as vilas ou cidade próximas, para os seus afazeres.
*
A casinha ficava um pouco recuada da linha das restantes, e com uns bons centímetros em rebaixo do nível da estrada. Na frente, havia um pequeno retiro entre a porta e a estrada, e uma nespereira já bem perto da porta, para dar sombra sobre onde se sentava a tia Áurea nas tardes quentes de Verão, e dava mais, porém: os seus frutos bem apreciados e saborosos.
Tinha ainda duas roseiras a alegrar, uma de rosas brancas lindíssimas, antiga, outra de rosas cor-de-rosa, a que chamavam rosas de açafate, que eram grandes, redobradas, de muitas pétalas e cheirosas, que regalavam bem no jardim ou na jarra da mesinha da ‘casa de fora’.
A frente da casinha era muito estreita e a única porta dava acesso directo até ao quintal. O chão da casa no exterior era em tijoleiras, mas já demasiado esboroadas nos sítios onde se mais andava, principalmente onde os homens, com as suas botas grossas, com carda, gastavam a tijoleira, e tornavam todo o piso irregular.
Como os homens só podiam comprar um par de botas por ano, todas as botas eram com a sola forrada a cardas, assim nem esbarravam, nem se gastavam as solas, amiúde as cardas é que eram substituídas.
Muitas vezes mandavam colocar tombas e viras ou biqueiras nas botas, pelo desgaste da parte de cima, mas as solas lá iam aguentando com a protecção das cardas.
Era esse o único calçado que os homens usavam, com ele trabalhavam um ano inteiro, pelas encostas, cavando, ou fazendo todos e quaisquer trabalhos do campo.
 Continuando a falar da casinha, era efectivamente a ‘casa de fora’ o compartimento maior, já o quarto era bem menor, onde cabia apenas uma cama de ferro, suficiente para o descanso da noite, e pouco mais que isso.
Seguindo até á cozinha, também pequena, era aqui onde se elevava a chaminé para cozer a comida, e repousava uma pequena mesa, mais dois ou três mochos, seria esse o mobiliário dado por suficiente.
 Prosseguindo, saía-se para o quintal, também módico, limitado pelo espaço dos vizinhos, pelos muros de pedra, quase solta, ou paredes altas de pedras toscas e negras, saltando à vista.
*
Foi ali naquela casinha que a tia Áurea teve os seus filhos, que os criou na companhia do seu marido, como grande evidência de que numa pequena casa se podia criar uma grande família.
Depois de tudo feito, filhos criados e casados, os anos passaram. Agora a tia Áurea vivia sozinha, ali na sua casinha, uma mulher que devia ter sido alta, mas já andava curvada há muitos anos, encostada num cajado, e isso já lhe tinha retirado um bom pedaço à sua altura.
Toda vestida de preto - tinha-lhe morrido o marido havia alguns anos - também nunca saia à rua sem ostentar o seu lenço preto, e mesmo com muito calor colocava o seu lenço de uma maneira muito própria, caído sobre a testa, fazia duas dobras para dentro, dos lados, para depois atar por baixo do queixo.
Queixo esse muito pontiagudo, o dito queixo, de “rabeca”, como se dizia, na terra, era um queixo muito saliente, que a boca muito encovada e sem dentes fazia ainda salientar mais.
Era ela mulher de rija têmpera, das que devia ter tido sempre a última palavra em tudo, não se deixava levar com palavrinhas ou acordos, e por isso mesmo uma mulher difícil e conflituosa.
Na luta pelos seus direitos não se deixava levar nem deixava nas mãos dos outros o que pudesse fazer com as suas, e muitas vezes as brigas com os vizinhos acabavam por meter a GNR para a solução de causas, pois ela não se ficava por acordos pacíficos.
Bastavam as águas fluviais ou da chuva surgirem e aí havia um motivo bom para briga, isto porque era natural que a água corresse para o lado mais baixo, que seria a casa dela, mas não queria, pois, e assim, entre brigas e quezílias, resolveu fazer um muro mais alto do que os vizinhos, que ficassem eles com as águas.
Os outros ainda, se pensaram eles fazer um muro em tijolo mais alto, o que os homens construíam, ela destruía - isto até ser vencida pelas multas que teve de pagar.
*
Como vizinhos do lado vivia o tio Manuel Caleiro - isto porque vendia cal - e a sua mulher a tia Arminda, um doce de pessoa, pequenina, maneirinha, de palavras suaves, como suaves eram seus gestos, as suas maneiras. Para a venda, lá atrelava ele o macho, carregava a carroça, colocava a balança, aí desfilava pelas terras vizinhas a fazer o seu comércio.
E havia sempre os tempos especiais para as maiores vendas, tal como o Verão, isso porque todas as pessoas caiavam as casas. Por outro lado a Primavera também era boa porque se vendia a cal virgem para misturar na calda de ‘sulfato azul’ (de cobre), para curar as videiras e árvores, para afugentar as pragas. Depois, também perto do Natal, agora para caiar as casas e as chaminés.
Onde se queimava a lenha, tinha de haver cal de caiar. Sempre que se cozia o pão, tinha de se caiar á volta da boca do forno, e coziam o pão alvo, ou de milho, se no Inverno, pelo menos uma vez por semana, e não havia dia de limpeza em que não se aplicasse cal de caiar.
Conforme a bolsa de cada um, mais do que a necessidade, poderia comprar-se mais ou menos cal, uma simples pedra, poderia dar já para algum tempo, mas poderiam comprar até meia arroba, uma arroba, ou mais, dependendo assim de cada bolso.
Contudo este tio Manuel, não vendia só a cal: quando saía para a venda, levava a carroça carregada de sal, apregoava pelas terras,  “caaaaaaldecaiaaaaaaaaar!!!” e consumada a venda total da cal, voltava a apregoar agora “feeerrrroooveeeeelhhhho!!!” e comprava tudo o que lhe quisessem vender.
A doce tia Arminda era a peixeira da terra, era mais conhecida até pela ‘sardinheira’, pois o que se vendia mais eram as sardinhas, o conduto do povo pobre do campo. Era isto o que os seus magros salários davam para comprar, até costumavam dizer, nos dias de Inverno, que se conseguiam trabalhar que “já tinham ganhado para as sardinhas”.
E quem as vendia ali na terra era a tia Arminda, quando alguém lhe perguntava - “ó ti Arminda as sardinhas são boas?” - ela logo respondia, fosse qual fosse a hora, logo nas primeiras horas da manhã – “se são filha!… ainda agora acabei de comer uma, uma maravilha”.
 E estas sardinhas comidas em cima de um pedaço de pão caseiro, com umas migas, um magusto, uma tiborna, ou lapardana, caíam que nem ginjas, comida simples, Ribatejana, confeccionada apenas com pão, batata, e hortaliças, iguarias apenas da casa dos pobres.
Contudo as sardinhas podiam ser frescas ou salgadas, assim como as sardas, escorrechadas, era apenas o nome que se dava, às sardinhas e sardas que eram abertas a meio pela espinha, cabeça cortada, e carregadas de sal, para a sua conservação. Depois vendiam-se assim e, normalmente, era mais para cozer, tinham de se pôr antecipadamente de molho para sair o sal, e depois era só cozinhar.
*
Outros vizinhos havia nesta aldeia e, ali pertinho, habitava uma outra família, os Carrapiços: viviam dois irmãos, frente a frente, e que se iam levando de razões, sempre desenvolvidas estas pelas partilhas de bens, e era tão difícil a sua relação que brotou daí um ódio visceral.
Certo dia no meio de uma briga feia, resolveram as questões em luta corpo a corpo, não se sabe bem quem deu mais nem quem levou menos, e como todos sabemos que quem conta um conto, aumenta um ponto, pode ser que aqui também tal tenha acontecido.
Mas fiquem sabendo que os ditos senhores não ficaram por meias medidas - não lutaram com armas, é certo, contudo aconteceu algo que talvez acabasse ali com as suas brigas, não com as suas quezílias, na luta alguém levou a melhor, por ventura até, batendo menos, mas aconteceu…
Deu tamanha dentada na orelha do irmão que lhe arrancou um pedaço de orelha, e assim acabaram a briga: “toma lá!…fica agora marcado para o resto da vida”.
*
Pelo meio destes residentes despontava outra casa, a dos Alves, uns vizinhos muito engraçados, um casal modelo, ainda que com a idade da reforma já bem avançada, eles saíam de casa sempre os dois, e iam até às fazendas para fazer alguns trabalhos do campo.
Quando saíam assim de casa ele colocava uma saca de linhagem dobrada no ombro, uma sachola por cima - a saca daria sempre jeito para dormir a sesta, numa boa sombra, e a sachola sempre necessária, também, ora para cortar uns cardos, sachar as culturas, ou até matar uma cobra incómoda que aparecesse.
A senhora Alves colocava o seu avental de mulher do campo e um lenço colocado na cabeça, mas sem ser atado, com as três pontas caídas, uma rodela por sua vez, para colocar a cesta de vime com o almoço, tapada esta com um pano bonito, lá iam até ás fazendas, e assim passavam os seus dias sempre juntos, como sempre tinha sido, em todos os dias das suas vidas.
Até que chegou o momento: entregaram as suas fazendas para as filhas, e ficaram gozando a vida de reformados, a sua casa ficava ali bem na passagem, num sítio bonito, num cruzamento de ruas, viam tudo e todos para qualquer lado que olhassem, passaram a ficar sentados na sua sala, a ver as pessoas passar, ou na janela, uma vida mais parada mas amorosa.
* * *
Os dias não param, os anos assim vão passando o tio Manuel Caleiro, também já havia morrido, mas ficara a tia Arminda, com a sua calma e doçura, e quando já pouco podia fazer, encontrou uma maneira de se entreter, queria deixar uma recordação quando morresse, para todas as pessoas de quem gostava, e assim fez.
Passou a fazer corações, com trapinhos bonitos, coloridos, que bordava com pontos garridos, e ia oferecendo, a todas as pessoas, vizinhas amigas, filhas de amigas, todas as que mereciam a sua simpatia, esses corações eram oferecidos como recordação da tia Arminda, e serviam para pregar agulhas e alfinetes, na caixa de costura de cada uma das presenteadas.
*
Os Alves lá passavam os seus dias sentados a ver quem ia para cá e para lá, mas tinham os seus rituais: a senhora Alves levantava-se e todos os dias ia buscar o pãozinho fresquinho na padaria que havia na aldeia, que ficava na estrada principal, cá por baixo.
Saía de casa sempre impecavelmente arranjada, penteada com o seu carrapito, sapatos meio tacão, nunca andava de chinelos, talvez com medo de escorregar, descia a ladeira até á padaria, e tornava a subi-la até casa, o que era um pouco mais difícil.
Em casa na janela da sala, ficava o marido esperando, e olhando a ladeira para ver se a via subir, sempre preocupado com receio que lhe pudesse acontecer alguma coisa, só quando a conseguia ver a meio da ladeira ficava descansado.
Um certo dia o senhor Alves adoeceu, já tinha oitenta e tal anos, um problema de saúde grave levou-o a ser hospitalizado
Ele conseguiu melhorar, voltou para casa, conseguiu ficar mais forte do que a esposa, andava de pé, coisa que ela nunca mais conseguiu, e ele até olhar um pouco por ela, na ausência das filhas .
 No mesmo cruzamento da casa dos Alves, havia um estabelecimento de província, café e mercearia onde se vendia de tudo, naquelas lojas onde era possível comprar tudo o que é possível de imaginar. O senhor Alves era lá cliente para algumas poucas coisas que as filhas não compravam, e nesse rol comprava lá as lâminas para se barbear, só cortava ele a barba uma vez por semana, isso dava para que só utilizasse a máquina de barbear de duas lâminas de uma só vez, na próxima já não cortava.
Ele com os seus hábitos de poupança ia juntando as máquinas todas, já utilizadas, dentro de um saco, não sabia que caminho lhes dar, mas fazia-lhe muita confusão, ter de as deitar para o lixo, pois só as tinha utilizado uma só vez.
Certo dia precisava de comprar mais lâminas, pegou no saco das utilizadas e foi á mercearia. Quando lá chegou diz para a dona da loja: “ó vizinha, venho ver se quer fazer um negócio comigo, trago aqui as lâminas todas que você me tem vendido, você não me quer ficar com elas novamente, eu vendo-lhas baratas, você pode vende-las de novo também mais baratas, só serviram uma vez, é uma pena deitá-las fora, assim estas todas podiam dar para uma embalagem nova.”
A vizinha explicou calmamente que não podia fazer tal coisa, se não serviam para ele, também já não podiam servir para outra pessoa, mas foi difícil convencê-lo, e ainda lhe disse, “podiam ser boas ainda para alguém que não tenha uma barba tão rija como a minha, e daria para outra embalagem, assim a reforma não chega para fazer a barba”.
A vizinha da loja achou muita graça à sua ideia, quanto tempo é que o senhor Alves teria andado a pensar em fazer aquele negócio, de grande valor, para um homem quase com noventa anos.
Contudo a vida continuou naquela rua, os Carrapiços morreram, o casal Alves também partiu para a eternidade, primeiro a mulher, depois o Sr. Alves, a tia Arminda, deixou os seus corações com as pessoas, e será recordada durante anos, quando olharem os seus corações irão recordar essa meiguice da tia Arminda.
Por tempo contado, que no tempo foi passando, e a tia Áurea foi soçobrando até que ficou sem forças para tomar conta de si, e as suas noras vinham dar-lhe a comida, depois passaram a dormir lá na casa dela, mais um tempo e a estar sempre noite e dia, uma em cada semana, até que os últimos dias foram chegando.
Um dia uma das noras, a que era muito medrosa, disse a duas vizinhas que tinha medo que ela morresse na sua semana, e ela ali, sozinha com ela, tinha medo de mortos, e não conseguia vesti-la se ela morresse.
As vizinhas ofereceram-se para lhe dar apoio, para as chamar, se algo acontecesse, e assim foi. A tia Áurea morreu mesmo na sua semana, as vizinhas foram chamadas, foram vesti-la, peça por peça de vestuário, após vestida e composta, com todas as roupas da amortalha, já só faltava as meias, foram calçadas e deixadas sem ligas, de propósito, a viagem que ia realizar não lhe fazia cair as meias, ali estava ela quase pronta para a última viagem.
Alheias a tudo isso, andavam por ali brincando umas crianças, dois irmãos pequenos, que viviam com a avó, brincavam alegremente, soltos e á vontade, no meio da rua, com o bisneto da tia Arminda, e com as suas alegrias naturais de crianças felizes.
Dentro da casa da tia Áurea, o drama continuava, ou nem tanto, era natural que uma pessoa de idade avançada, morresse, a tal ordem natural das coisas, e da vida.
Depois de arranjada e deitada na cama, esperam o cangalheiro, colocaram-lhe um lenço atado, do queixo ao cocuruto da cabeça a amarrar, para que a boca não ficasse aberta, só faltava calçar os sapatos, a vizinha mais nova era a primeira vez que vestia uma pessoa, mas gostava de experiências novas, e desafios, ali estava ela a cumprir a sua boa ação, ia-lhe calçar os sapatos.
Os sapatos eram um pouco justos, talvez mesmo apertados, ou talvez e defunta tivesse os pés inchados, o que era certo é que, a vizinha tinha de forçar, carregar, estava difícil entrarem os pés, naqueles sapatos.
Na última tentativa fez toda a força, fazendo entrar o pé no sapato, e foi nesse mesmo instante, que ela embrenhada no seu desempenho, ouviu um grito, não sabia de onde esse grito surgiu, a primeira coisa que fez foi largar os pés da criatura, com um sobressalto, olhou a cara dela, seria ela a queixar-se de dor pelos sapatos apertados?
A sua colega de boa vontade, olhou para ela e riu-se, ela sabia de onde tinha vindo o grito, não era um grito de dor, mas antes um grito de alegria, de uma alegria alheia ao que se passava ali naquela casa, um grito de alegria, de crianças que brincavam felizes na rua, ali mesmo na frente da casa, ali como em outro qualquer lugar do Mundo, a tristeza da morte, pode sempre conviver, com os gritos de alegria de crianças felizes brincando.
Dentro de casa descansava para sempre, das suas quezílias, das suas lutas, a tia Áurea, ao som de UM GRITO DE ALEGRIA NA PASSAGEM DA MORTE.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO........FONTE DAS FIGUEIRAS.......


CIDADE ANTIGA
            
3º Lugar de letra e musica

LÍDIA FRADE

    Concurso VAMOS CANTAR SANTARÉM

Santarém, cidade antigo
Eu vejo em ti mocidade
Um dia talvez te lembre
Com saudade
Becos, vielas escondidas      
Pedras lisas que pisei
Velha Fonte das Figueiras
Que tanto dela gostei.

Tens nomes de ruas
Que são expressões de um povo
Beco das Atafonas
Que um dia foi novo
Escadinhas do Milagre
Lembranças tão belas
Dos meus verdes anos
Sempre quero telas.


Talvez uma formosa
Que seu nome deixou
Na travessa da Mónica
Que alguém adorou,
E para descansar
O teu corpo dorido
Na rua das Esteiras
Tiveste um amigo.


Em tua simplicidade
Travessa dos Tanoeiros
Porque te deram tal nome
E também aos Pasteleiros,
Foi lembrando alguém
Que um dia foi querido
Travessa das Figueiras
Orgulho de povo antigo.




segunda-feira, 31 de outubro de 2011

TUDO ISTO,É RIBATEJO!!!

SANTARÉM RENOVADA E REFRESCADA
FOTO LÍDIA

TUDO ISTO, É RIBATEJO

Em manhã de primavera
Meu Ribatejo a florir
És lindo jardim à espera
Que desperte o meu sentir

Vi lindo quadro sem par
Passeando à beira Tejo
Cavalos a galopar
Em liberdade que invejo

Lezírias touros e fados
Nunca se vão separar
Cavaleiros e campinos
Forcados a acompanhar

Com seu traje bem garrido
No seu vestir a rigor

Ao touro tu dás castigo
Ao cavaleiro o valor

Ribatejo é valentia
Com calor de praça cheia
Vibra com mais alegria
Quando algum filho toureia.

LÍDIA FRADE

POEMA DE UMA PEDRA NO CHARCO Refúgio 

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO

ADORO FOTOGRAFAR UM LINDO PÔR DO SOL!!!!
CADA PEDAÇO DE CÉU ERA DIFERENTE

AS MESMAS NUVENS, EM CADA MOMENTO COM O SEU TOM


ATÉ OS FUMOS RASTOS DA PASSAGEM DO AVIÃO TRAZEM CORES AO CENÁRIO

SOBRE O LUZ DE FUSCO DAS CASAS, O TONS LINDOS DELIRANTES NO HORIZONTE

AS SOMBRAS JÁ CAIAM SOBRE ALMOSTER, JÁ SÓ SE VIA O CÉU EM MOVIMENTO
ERA IMPERATIVO SUBIR ATÉ AO CABEÇO DO MOINHO DO PAÇO E FOTOGRAFAR

ATALAIA, ESTA A MINHA RUA, COM O ESPECTACULAR PÔR DO SOL