quinta-feira, 12 de junho de 2014

SANTARÉM FEIRA NACIONAL DA AGRICULTURA+++++ PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO!

SEGUNDA-FEIRA 9 DE JUNHO DE 2014
JÁ O SOL SE TINHA ESCONDIDO MAS NO HORIZONTE PERMANECIA COM A SUA BELEZA REFLETIDA!
CHEGAMOS Á FEIRA DEPOIS DE UMA CORRIDA, E DE DOZE HORAS DE TRABALHO EM LISBOA, A ALEGRIA DE ESTAR COM A FILHA E NETOS PARA UM JANTAR E ALGO MAIS.
JANTAMOS NA TABERNA DO QUINZENA, ONDE CONSEGUIMOS ENCONTRAR MESA E SERVIÇO MAIS RÁPIDO, JÁ QUE TODO O TEMPO ERA CURTO.
APÓS O JANTAR, NO PERCURSO DAS NOSSAS COMPRAS E NO PALCO INTERIOR DOS PAVILHÕES, ENCONTRAMOS UM GRUPO DE MUSICA DE FOLCLORE, TOCAVAM NA ALTURA O FANDANGO ONDE ENTRE OS FANDANGUISTAS  APARECEU UMA PARELHA DE PEQUENITOS QUE RECEBERAM MUITOS APLAUSOS, PELA GRACINHA PROCURANDO O JEITO. 


NO GRANDE PALCO DO ARENA RELVADO ENCONTRAMOS AINDA UM GRANDE ESPETÁCULO COM VÁRIOS ARTISTAS, UM GRUPO DE MÚSICOS DE EXCELÊNCIA, DE DAVID ANTUNES E AMIGOS, "COMO SE INTITULAM" COM UM GUITARRISTA FABULOSO, O ZÉ MANEL, E MAIS ARTISTA QUE ACOMPANHAM COMO O F.F. QUE ESTEVE FABULOSO COMO SEMPRE. 

EU 

Não fosse eu ser quem sou
Em luta, revolução,
Não fosse ser
Quem sempre amou
Toda alma e coração.
Em tempos de guerra
Ser descontracção.
Em dias de tédio
Imaginação.
Não fosse eu ser, quem sou
Em ideias e ficção
Ser toda entregue
Em trabalho, em poema, em paixão
Não fosse eu ser
Ponto de apoio
Árvore de amor
E venceria a frustração.
Não fosse eu ser quem sou
Inspiração de poeta amador
Ser mãe, ser mulher e amiga
Ser fonte de amor
Ter alma cigana
E uma estrela a brilhar
Ter JESUS nessa estrela
Para me guiar
Não fosse eu ser quem sou
E não estaria aqui
Este poema a cantar.

POEMA DE LÍDIA FRADE

A SIMONE DE OLIVEIRA QUE, COM A SUA IDADE DE BISA, ESTEVE LINDAMENTE.

MUITO APLAUDIDA TAMBÉM.

E O HERMAN, QUE PARECE JÁ PERTENCER A SANTARÉM, ESTÁ SEMPRE PRESENTE EM TODAS, E COMO SEMPRE DIVERTE COM AS SUAS BREJEIRICES, E COMPARAÇÕES MALDÓSAS!!!
AQUI ACABOU A MINHA NOITADA, ESTÁVAMOS PERTO DA UMA DA MANHÃ!
VIEMOS DORMIR Á MINHA CASINHA DA ALDEIA, ATÉ ÁS 6 DA MANHÃ, HORA DE LEVANTAR, MEIO DE RESSACA, IR VER O JARDIM, A HORTA, APANHAR VERDURAS PARA AS SOPAS, E RUMAR A LISBOA.
O TRABALHO ESPERAVA DIA DEZ DE JUNHO ÁS NOVE DA MANHÃ!!!

IMAGENS DE LÍDIA E PAULO
POEMA DE LÍDIA FRADE



4 comentários:

  1. Conhecer a feira/festa de uma região é sempre bom. Gostei do que vi e li, inclusive do seu poema.
    Menos bom é a hora de levantar e "meio zombie" voltar ao trabalho. Também sei o que isso é, Lídia!. Mas sabe tão bem depois comer os produtos vindos directos da horta :-)
    Beijos e votos de um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo querida amiga!!!
      O tempo é curto mas.... temos de procurar vivê-lo da melhor forma possível, entre os gosto, os prazeres, os amores, sem esquecer os deveres, já que são esses, que nos podem proporcionar tudo o resto!!!
      O pior de tudo é que a minha idade já se vai ressentindo com os abusos... e faltas de descanso!!
      1 beijinho bom fim de semana e até sempre!!!
      Lídia

      Eliminar
  2. Lidia,

    Eu amei tudo, e ainda mais essa primeira imagem e do seu lindo poema.
    Muito obrigada por sua visita e comentário!
    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Lucinha é um grande gosto receber a sua visita, e em simultâneo as
      queridas palavras amigas!!!
      1 beijinho Lídia

      Eliminar